5 vezes que a Ferrari processou os próprios fans

A Ferrari nunca foi uma empresa fácil de lidar, E ao longo dos anos já processou varias pessoas que ousaram alterar os seus carros, algo que é completamente contra os seus princípios. Neste artigo vamos divulgar 7 situações em que isso aconteceu.

1. Jean ‘Beurlys’ Blaton: Ferrari F40 Barchetta

A Ferrari odeia que façam alterações aos seus carros e foi o que o bilionário piloto de carros Jean ‘Beurlys’ Blaton descobriu quando conseguiu adquirir um F40 IMSA LM. Com a ajuda do parceiro de longa data da Ferrari, Michelotto, cortou-lhe o teto , acrescentou um rolbar de aço tubular, alterou a suspensão para coilovers pushrod e encurtou o sistema de escape para sair à frente das rodas traseiras. Segundo a Ferrari, mudanças drásticas desqualificam-no para ser mais um produto Ferrari. Como resultado, enviaram um comunicado a Blaton, estava proibido comparecer aos dias oficiais de corrida da Ferrari e teria de remover todos os emblemas da Ferrari do seu carro.

É difícil imaginar qualquer outra marca ir tão longe sem prejudicar sua própria imagem. Se a Honda ou, por exemplo, a Porsche começasse a enviar avisos legais como este, teria milhões de prejuízo.

2. Phillip Plein: 812 Superfast

Quando se trata de brincadeiras extravagantes, o estilista alemão Phillip Plein é um mestre. Mas com a Ferrari teve azar  ao postar fotos no Instagram com produtos das suas lojas e usando o Ferrari como destaque, publicou também fotos com mulheres seminuas e o seu Ferrari, ora facilmente a Ferrari considerou isto fotos promocionais e decidiu processar o estilista, a Ferrari ganhou o caso e Plein foi obrigado a indemnizar a marca em 300.000€ por danos e mais 25.000€ em taxas legais.

3. Deadmau5: Purrari

Este é o exemplo mais famoso da ânsia de litígios da Ferrari, que aconteceu em 2014. O carro era um Ferrari 458 Italia, e pertencia ao produtor de música eletrônica e DJ Joel Thomas Zimmerman – mais conhecido como Deadmau5. Zimmerman decidiu personalizar o seu Ferrari com um tema baseado no infame meme da internet do gato Nyan., emblemas, tapetes e placas de carro. A parte que a Ferrari particularmente se ofendeu foi a substituição da Ferrari por Purrari nos novos emblemas. A equipe jurídica da Ferrari entrou em ação e Zimmerman foi forçado a retirar o invólucro personalizado e os emblemas da Ferrari do carro.

4. Caridade: Fundação Purosangue

A Ferrari processou e venceu uma ação contra uma instituição de caridade chamada Fundação Purosangue. A marca de supercarros começou por abordar a fundação que promove saúde e preparação física, pois queria usar o nome Purosangue (“puro-sangue”em italiano) para no seu próximo SUV. As negociações foram interrompidas e a Fundação Purosangue entrou com uma ação legal para impedir a Ferrari de registar o nome na Europa. A Ferrari respondeu, alegando que a fundação não tinha feito uso comercial suficiente de “Purosangue” desde o registo em 2013. “Por que temos que dizer adeus à nossa identidade? A Ferrari deveria ter feito uma pesquisa antes de escolher o nome para o SUV.” disse Max Monteforte, o fundador da Fundação Purosangue, ao Financial Times do Reino Unido 

5. Mansory 4XX Siracusa

Em 2014, a Ferrari divulgou fotos de seu hipercarro de pista, o FXX K, num comunicado à imprensa antes de o veículo entrar em produção. A casa de tuning alemã Mansory Design prontamente começou a projetar um kit para o 488 GTB de estrada para torná-lo parecido com o FXX K e começou a vendê-lo em 2016. A Ferrari não gostou da ideia e imediatamente processou a Mansory num processo que durou até 2021 mas que a Ferrari venceu.

Já conheces o nosso INSTAGRAM? Não percas o que se passa por lá!

Segue-nos no Facebook!

8